ABSOLUTO COM PROGRAMAS DE TV, NETFLIX INVESTE EM TECNOLOGIA

A evolução tecnológica da marca, que no início entregava seu serviço via correio, é reflexo de uma mudança global.

Criado em 1997, o Netflix teve muita dificuldade para se instalar no mercado norte-americano. A empresa foi criada para ser uma concorrente da gigante Blockbuster, oferencendo alugueis e vendas de filmes, porém entrega era realizada pelo correio. O serviço, nesse molde, durou pouco.

Antes mesmo dos anos 2000, o modo de funcionar mudou. Dessa forma, o consumidor deveria ser um assinante, que pagava um preço fixo e tinha acesso a todos os filmes. Para escolher o conteúdo, bastava entrar no site da marca e podia selecionar até 8 filmes.

A empresa, até então uma startup, teve muito sucesso com a mudança. O termo startup é definido como um grupo de pessoas trabalhando com extrema incerteza a procura de um modelo de negócio e passou a ser usado mundialmente nesta época.  O Netflix se encaixava perfeitamente na definição, basta observar que a empresa corria risco de sofrer da mesma crise responsável pelo fim da Blockbuster.

Entretanto, por ter filmes menos “comerciais”, como alguns independentes e documentários, a empresa saiu na frente de sua principal concorrente e recebeu investimentos, também em função de seu crescimento que havia conseguido em meio à crise.

O dinheiro investido elevou o nível do serviço oferecido, de tal forma que a marca possuía um acervo de mais de 35 mil filmes, enviava via correio um milhão de exemplares por dia e possuía entre 4 e 5 milhões de assinantes.

Porém ao contrário da concorrente, o Netflix percebeu uma mudança na preferência e no comportamento de seus clientes, fortemente influenciados pelo meio digital. Ainda em 2007, no final de fevereiro ao comemorar um bilhão de alugueis, um diferencial ligava os clientes, a internet.

A possibilidade de avaliação por parte dos usuários, fez a marca ter uma presença digital forte. Neste momento a empresa concluiu que deveria se remodelar, permitindo assistir o conteúdo por uma transmissão instantânea via sistema de streaming.

Desde então o Netflix “decolou”, poderoso nos Estados Unidos, a mudança de hábito cruzou fronteiras. Em 2010, lançou o serviço de streaming para o Canadá, a primeira expansão internacional da marca. Hoje a marca possui 70 milhões de assinantes por mais de 190 países.

Uma empresa tecnológica

Já líder, a empresa vem mudando um pouco sua atuação. Completamente instalada em seu setor, ela agora investe muito em tecnologia. As principais inovações são aquelas que facilitam o manuseio do usuário e acredite e não são raras na empresa.

Em menos de um ano duas novidades foram lançadas. Um botão muito incomum e multifuncional foi criado. Ele serve para ajustar o ambiente para o máximo conforto, podendo desligar o celular, ajustar a iluminação e controlar a televisão.

Já a mais recente inovação do Netflix é uma meia que acompanha os batimentos e a movimentação do espectador. Ao detectar o sono do usuário, a vestimenta, por meio de LEDs infravermelhos, aciona o aparelho de televisão que pausa a programação instantaneamente.

Mais do que criar objetos que tornam mais prazeroso assistir televisão, a empresa ela ensina a como montar o objeto. Tanto no caso do botão como o da meia, a novidade foi lançada com vídeos instruindo as pessoas a construírem os próprios objetos. Confira no vídeo abaixo: