Moema, bairro localizado na Zona Sudoeste da Cidade de São Paulo, também conhecido por Indianópolis e parte do distrito de Moema, é considerado o bairro com melhor qualidade de vida da capital paulista. Seus cerca de 63 mil habitantes desfrutam de um IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) de 0,972, mais alto que a Noruega, o país mais bem colocado na lista global de IDH elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU). A qualidade de vida da região reflete os índices de escolaridade e de renda média da população local, que também estão entre os primeiros da cidade de São Paulo, e fazem com que Moema seja um dos bairros mais valorizados da capital paulista. O valor do metro quadrado de novos apartamentos à venda supera os R$ 10 mil. Moema também lidera a procura por locação de imóveis residenciais. Nos últimos anos, o bairro também começou a atrair empresas com novos empreendimentos comerciais, e mais recentemente, surgiram os primeiros espaços de coworking e escritórios compartilhados em Moema.

Moema São Paulo céu

História de Moema

A história da formação e desenvolvimento do bairro demonstra porque Moema é o bairro com maior qualidade de vida em São Paulo. A área, antes habitada por tribos indígenas que deixaram sua marca no nome das ruas da parte do bairro conhecida como “Moema Índios”, era ocupada por pequenos sítios e chácaras cortadas pelo chamado “caminho do Ibirapuera”, uma estrada de boiadas onde hoje fica a Avenida Santo Amaro, até o final do século XIX. Em 1882, começou a construção da Estrada de Ferro de Santo Amaro, que ligava o centro de São Paulo à então vila de Santo Amaro. Os bondes à vapor que à partir de 1886, quando a ferrovia foi inaugurada, faziam o trajeto pela linha, onde hoje passam as avenidas Ibirapuera e Vereador José Diniz, trouxeram o desenvolvimento à região. A partir de 1906, os bondes à vapor começaram a ser substituídos pelos modelos elétricos.

Na década de 1910, o comerciante Fernando Arens Júnior, presidente da Companhia Territorial Paulista (CTP), comprou a área, então conhecida como Sítio da Traição, e iniciou a demarcação e loteamento. Em 1936, foi inaugurado próximo à região o Aeroporto de Congonhas, e a então Estrada de Santo Amaro (atual eixo das avenidas Rubem Berta, Moreira Guimarães e Washington Luís), que ligava o aeroporto ao centro de São Paulo.

A partir da década de 1930, diversas fábricas e indústrias se instalaram na área, e a região, então barata, atraiu famílias de operários imigrantes de países europeus como Alemanha, Áustria, Hungria, Polônia e Itália, que trabalhavam nas fábricas e moravam próximo ao trabalho. Essa característica europeia e de um bairro de ocupação mista, com residências, comércios e indústrias, marcam o bairro até hoje, embora as grandes fábricas tenham sido substituídas por grandes torres residenciais e comerciais e centros de compras e lazer como o Shopping Ibirapuera.

Foi o shopping, aliás, um dos primeiros de São Paulo, inaugurado em 1976, que impulsionou a verticalização e valorização da região, atraindo famílias de maior poder aquisitivo para morar nos novos condomínios de apartamentos. Oito anos antes, em 1968, os bondes pararam de circular na Avenida Ibirapuera e o então prefeito Faria Lima reurbanizou a avenida, mas prestando atenção ainda dá pra identificar rastros dos trilhos em trechos de avenida. Em 1954 havia sido inaugurado também próximo à região o Parque do Ibirapuera, outro grande chamariz para a valorização do bairro.

A partir da década de 1980, Moema se tornou um bairro nobre marcado pela qualidade de vida em suas ruas planas e arborizadas, perfeitas para se andar à pé, e uma mescla de prédios residenciais, casas e comércio diversificado, com grande oferta de restaurantes, bares, padarias, lojas e serviços diversos. Mais recentemente, começaram a ser construídos prédios comerciais, principalmente em antigos terrenos de fábricas ao longo da Avenida Ibirapuera, mas o bairro ainda é predominantemente residencial, ao contrário de vizinhos como Vila Olímpia, Itaim Bibi e Brooklin, onde os edifícios comerciais superam os residenciais.

 

Atrações de Moema

Hoje Moema é um bairro completo, repleto de atrações para quem mora ou trabalha por lá. Além dos já citados Parque Ibirapuera e Shopping Ibirapuera, há muitas opções de bares, restaurantes, cafés, sorveterias, lanchonetes, lojas e outros serviços. Alguns destaques são os restaurantes alemães Konstanz e Windhuk, que preservam a tradição germânica do bairro, e também a choperia Joan Sehn, famosa pelas tábuas de frios e pioneira do bairro, inaugurada em 1937 e recém-reinaugurada na Rua Lavandisca. A Avenida dos Arapanés é um verdadeiro corredor gastronômico, com restaurantes como os japoneses Ayoama e Koban, os casual diners Tony Roma’s e Applebee’s, a lanchonete Stop Dog, a cantina Don Pepe di Napoli, entre outros. No lado dos “índios”, o Bar do Giba atrai fãs dos seus pastéis e outros petiscos de boteco.

Quer tomar um sorvete? A Bacio di Latte e a Stuppendo são ótimas opções. Café da manhã? As padarias são ótimas, com destaque para as francesas Blés d’Or e Pain et Chocolat. Fazer compras? Na Rua Bem-Te-Vi há diversas lojas de roupas, calçados, cosméticos e outlets de marcas como Lacoste e Jogê. E ainda tem o Parque das Bicicletas e a primeira Ciclofaixa de São Paulo, para quem gosta de pedalar.

 

Trabalhar em Moema: Prós e contras

Mas Moema é um bom bairro para se trabalhar? Como dissemos, nos últimos anos surgiram algumas torres comerciais em torno da Avenida Ibirapuera, que atraem empresas de diversos portes. Mas Moema ainda está bem atrás da concentração de grandes empresas, principalmente de áreas como tecnologia, internet e mídia, em relação a outras regiões, como o Eixo da Avenida Faria Lima, o Itaim Bibi, a Vila Olímpia e a Região da Berrini.

Moema já conta com alguns espaços de coworking para quem deseja trabalhar nesses espaços de escritórios compartilhados, que vêm crescendo em diversas regiões da cidade. Se você está em busca de um coworking para trabalhar, a dica é pesquisar a região, o tipo de empresas que se instalam nos espaços e estão na região, como é o acesso, etc., antes de fechar negócio. Se você trabalha na área de tecnologia, talvez seja mais interessante levar seu trabalho para coworkings nas regiões do Itaim Bibi, Vila Olímpia e Berrini. Se atua no mercado financeiro, as avenidas Paulista e Faria Lima concentram os principais bancos de investimento e corretoras. De qualquer forma, é preciso pesquisar bastante antes de decidir!