IDEIA DE FACULDADE SAI DO PAPEL E HOJE VALE MAIS DE US$1 BILHÃO

Alunos de Harvard criam CloudFlare, uma espécie de segurança digital

Há mais ou menos 10 anos o mercado tecnológico tomou novos rumos. Startups surgiram com propostas alternativas e interessantes que ajudam várias pessoas. Um exemplo disso é o Zopa, uma ferramenta que permite investimentos e empréstimos sem o intermédio de bancos.

Ideias brotam a todos os instantes, na faculdade, no trabalho, na roda com amigos e até mesmo sozinho. Cada vez mais, alguns exemplos nos mostram que uma das etapas mais importantes é acreditar naquilo que você idealizou. E foi assim que surgiu a CloudFlare.

Cloud Flare

A empresa atua no segmento de performance e segurança na internet. Com um valor de mercado estimado em US$ 1 bilhão, a startup já levantou aportes de mais de US$ 110 milhões e conta com grandes investidores como Google, Microsoft e Qualcomm Venture.

Lidando com 5% de todo o tráfego da internet, seu trabalho é filtrar o conteúdo. Ao identificar o que é bom e o que é ruim, o serviço pode limpar todo esse fluxo ou otimizar, utilizando uma rota mais efetiva.

Com mais de 4 milhões de pessoas em 30 países diferentes usando o serviço, a empresa tem a expectativa que, neste ano, o lucro seja em torno de US$ 100 milhões. Um dos fatores para o grande crescimento é ter um leque de serviços diversificado.

A empresa oferece uma rede de entrega de conteúdo e DNS (Domian Name Service), que significa entregar serviços a computadores ou qualquer recurso conectado a internet. Como intermediário entre o visitante e o provedor, a CloudFlare protege, acelera e melhora a disponibilidade para um site ou aplicação móvel.

Raiz em Harvard

Avaliado em bilhões de reais, a CloudFlare nasceu como um projeto de faculdade. Idealizada por dois que perceberam que havia uma certa demanda no mercado e resolveram empreender. Este é mais um exemplo de uma empresa que surge e, em pouco tempo, atinge uma valorização meteórica mesmo quando atende pequenas fatias de mercado. Não é assustador com participação de apenas 5% de mercado seja avaliada em US$ 1 bilhão?

Isto só deflagra outro aspecto positivo das startups que conseguem crescer de uma maneira diferente de empresas inseridas em mercados mais tradicionais  mas tem progressão para crescer, diferente de outros exemplos.

Assim como tratamos sobre o Divino Amor, um serviço para relacionamentos entre evangélicos, no texto sobre aplicativos de paquera. O medo de empreender não pode existir para aqueles que querem entrar neste mercado promissor, mas muito competitivo. Visto que na maioria dos casos existe um nicho especifico “esperando” pelo serviço oferecido.