Os cinco estágios do empreendeodrismo

Você que acompanha o Blog da Gowork certamente acha que possui perfi empreendedor, certo? Mas será que você tem mesmo? Não estamos duvidando, mas a verdade é que nem todo mundo possui realmente a “coisa certa” para dar certo no mundo gratificante, mas duro, do empreendedorismo. Pra certas pessoas, um trabalhinho estável como funcionário público é o suficiente…

Mas você ainda acha que tem o tal do espírito empreendedor? Beleza! Vamos tirar a prova. O professor da Universidade de Maryland e futurista Andrei Draganescu é especialista nos fatores que levam o empreendedorismo a se desenvolver nas pessoas, e em um texto para a revista eletrônica The Startup, do Medium, identificou cinco estágios do empreendedorismo. Se você se identificar como estando em um deles, parabéns, você é o empreendedor. Mas essa escala é progressiva, ou seja, se você estiver nos primeiros estágios, precisa continuar se desenvolvendo pra chegar no quinto e mais completo estágio do empreendedor: A MISSÃO!

Mas vamos por partes, um passo de cada vez. A cada um deles, vamos dar a definição do professor Draganescu, e um vídeo que ilustra melhor e mostra como atingir cada estágio.

Vamos nessa?

Estágio 1 – Drive (Determinação)

Vamos combinar, existem dois tipos de pessoas. Os que se acomodam a uma certa situação e não precisam mais continuar correndo atrás, e aqueles da correria, que correm atrás e não se satisfazem facilmente. Qualquer empreendedor precisa ter esse espírito de determinação, de tração, como um jipe 4×4 que não desiste no primeiro atoleiro e encara qualquer subida.

Segundo Draganescu, quando você tem esse drive, você arranja tempo, encontra as soluções e vai lá e faz. Ele acha que o empreendedor é viciado nesse drive, e assim que encontra uma solução, segue correndo atrás de solucionar outro problema, sem parar.

Mas afirma que uma hora, esse drive se esgota, para qualquer um. Todo empreendedor de sucesso já passou por um momento em que pensa em desistir, e se conformar a ir lá prestar aquele concurso. Mas, nesse momento, o empreendedor não desiste, persiste. Esse é o segundo estágio do empreendedorismo:

Estágio 2 – Persistência

Quando o drive se esgota, o empreendedor busca dentro de si aquela substância rara: a persistência. A persistência é um processo doloroso, como a dor musucular que vem quando a adrenalina baixa depois de um exercício intenso. Mas, “com uma combinação amarga de orgulho e ambição, temperada com um pouco de esperança”, segundo as palavras do professor, o empreendedor segue em frente.

Então, com essa persistência, o empreendedor finalmente consegue! Implementa sua ideia inovadora, que é um sucesso. Finalmente ele chegou ao topo. Mas lá em cima a vista não é tão bonita. Aí o empreendedor começa a se sentir entediado. Geralmente, acaba desistindo de seu projeto inicial, sem o drive nem a persistência para guia-lo. Aí atinge o terceiro estágio:

Estágio 3 – Desistência

Esse estágio costuma ser longo. Na verdade, alguns ficam nele pra sempre. Também pode ser chamado como a famosa “zona de conforto”. Você tem sucesso numa empreitada, ela se transforma num trabalho chato, mas que te dá uma renda mensal estável e confortável. Nada mal, né?

Mas o verdadeiro empreendedor logo vai começar a se sentir desconfortável dentro da zona de conforto. Ele precisa voltar a sentir aquela adrenalina correndo nas veias. Sim, é como uma droga (mas não faz mal à saúde). Mas, para perseguir um novo objetivo, o empreendedor precisa desistir do projeto original. Essa desistência pode ser voluntária, quando o empreendedor conscientemente deixa para trás sua primeira empresa para abrir outra, ou involuntária, quando forças do mercado externas a ele o jogam para fora da sua zona de conforto. De qualquer forma, assim ele passa ao quarto e penúltimo estágio:

Estágio 4 – A Visão

Pode perceber, em toda palestra, TED Talk ou apresentação de um grande empreendedor que você já viu, ele vai falar que em algum momento sua primeira empresa foi pro vinagre, por problemas internos ou externos, ou ele se sentiu desmotivado e largou o empreendimento inicial. Isso porque o verdadeiro crescimento do empreendedor geralmente acontece após o momento da desistência.

Mas não é fácil, afinal esse estágio vem depois que a pessoa tomou um tombo e ainda está lambendo as feridas. Boa parte desiste mesmo por aí. Mas alguns tem a “visão além do alcance”, e veem essa queda como apenas uma breve descida na trilha montanha acima até o pico. Eles percebem que, após descer, o caminho está subindo novamente.

Essa visão não surge de repente. Na verdade, ela estava lá desde o princípio. Essa visão era o verdadeiro drive lá do primeiro estágio! A primeira visão foi a que impulsionou o drive inicial. Segundo Draganescu, “pessoas com visão são incríveis porque elas mostram que tudo é possível”. Com essa visão clara, o empreendedor vai finalmente chegar ao último e mais elevado estágio:

Estágio 5 – A missão

O estágio da missão chega quando pessoas com visão percebem uma oportunidade única de realmente colocar significado em sua ação no mundo. Para o professor de empreendedorismo, “uma verdadeira missão tem um potencial exponencial”. Segundo ele, pessoas que encontram sua missão são raras, pois dão a si mesmas a missão de mudar algo, de fazer algo que dure.

Nesse estágio, os objetivos não são de curto prazo. São profundos, têm um significado mais rico, e, o mais importante, têm impacto no mundo. Sim, no mundo inteiro. Draganescu explica que a maioria das pessoas param na visão, pois nesse momento o dinheiro flui, a riqueza se acumula, e o conforto fica irresistível. Conta-se nos dedos quem vai além desse estágio. Mas os que atravessam e encontram sua missão não apenas ficam com a conta bancária recheada. Eles entram para a História, com H maiúsculo!

E aí, em qual estágio você está? Vai ficar aí confortável nele ou quer fazer História?