CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL NÃO ESTÁ FÁCIL, MAS 2016 VAI SER MELHOR

As startups são um grupo seleto que sofreram menos neste ano.          

Coworking_Gowork_19-11-2015_Startup_Investimento
O cenário econômico do ano de 2015 não foi fácil. A maioria dos países revisaram suas previsões sobre o PIB, em grande maioria diminuindo a expectativa. Existem casos de mudança de panorama e de queda econômica. O problema é frequentemente encontrado, em cada continente algumas das grandes economias pode-se notar isso.

Em julho deste ano, os Estados Unidos mudaram sua projeção, reduzindo a expectativa de crescimento. O PIB da Rússia despencou 4,6% e 4,1% no segundo e terceiro trimestres, respectivamente. O Japão também não encontra um bom cenário, o segundo trimestre desse ano foi 1,2% menos do que ano passado e 0,3% pior do que o primeiro trimestre. Isso tudo sem contar o Brasil, que entrou em recessão técnica por consecutivos meses de retração.

Startups no mundo

Apesar do período ser nebuloso e o ritmo da economia estar desacelerando, os investimentos em startups continuam. No terceiro trimestre desse ano, um total de US$ 37,6 bilhões foram financiados a 1.799 empresas por todo o globo terrestre.

Mesmo que os problemas econômicos estejam frequentes em 2015, este é o ano com maior montante destinado às startups, desde 2001. Do começo do ano até outubro 98,4 bilhões foram para empresas recém-criadas, mais do que 2014 e o dobro, se comparado com 2013.

Startups brasileiras

Segundo um levantamento da Fundacity, só no primeiro semestre deste ano foram 45 investidores que contribuíram com mais de 170,8 milhões direcionados a 191 empresas. Neste ano houve ate especulações de uma desaceleração nos investimentos em startups, mas o ritmo não diminuiu. A empresa acredita que os investimentos estão apenas mais cautelosos.

Outro ponto positivo abordado no levantamento foi a quantidade de dinheiro público investido em startup. No primeiro semestre desse ano, 19,4% tiveram origem no governo, mas 17,9% de empresas e apenas 1,5% totalmente público.

E o ritmo não irá cair

Após este ano ter previsão de retração de 1,5% no PIB deste ano, a previsão para 2016 é de expansão de 0,6% e deve melhorar ainda mais na estimativa para 2017. Um cenário melhor deve surgir, não desacelerando os investimentos em startups, empresas que tem o privilegio de atrair tantos investimentos inclusive em períodos de crise.